Quais são os seus motivos para desistir de ler um livro?

Quais são os seus motivos para desistir de ler um livro?
Tempo de leitura: 6 minutos

Eu sei que é algo incomum, mas, por acaso, você mantém registro dos livros que quis desistir de ler?

Porque eu mantenho. Lá no meu skoob, entre todos os livros que eu tenho marcados, existem quatro na minha lista de desistências. E eu achei que seria interessante falar sobre essas desistências aqui.

Desistir de uma leitura é quase um tabu entre leitores. Parece que você não deu atenção suficiente para a leitura ou que não é capaz de ler aquele livro. Porém, eu aprendi a encarar a desistência de um livro de frente.

Desistir de uma leitura apenas significa que a trama em questão não funcionou para você ou que você prefere buscar entretenimento em outros livros.

Uma ideia que me motivou a conseguir desistir de ler certos livros sem sentir peso na consciência foi pensar que existem tantos livros no mundo… por que perder tempo com um que não está me deixando feliz. Não é verdade?

 

Desistir de ler livros clássicos não é pecado!

O primeiro livro que eu admiti para mim mesma que eu tinha desistido de ler foi Histórias Extraordinárias do Edgar Allan Poe. Esse é um livro de contos de terror com um teor gótico que todo fã de clássicos adora.

Desistir de uma leitura clássica pode sim

Compre o livro na Amazon através deste link e ajude o Poeira com uma comissão!

 

E eu tentei entender por que esse homem foi um gênio, mas não consegui. Enquanto eu lia todos aqueles contos, eu só pensava em como eu estava achando que todos tinham eles tinham uma trama chata e entediante.

Eu entendi que não precisava continuar me forçando a ler Histórias Extraordinárias só porque é um clássico. Se eu não gostei, não preciso. E aqui eu poderia abrir a discussão de “não é porque o livro é um clássico que é bom”, mas deixa para outra hora.

O importante é falar que desistir de ler esse livro foi bom porque Histórias Extraordinárias não funcionou para mim. Não terminei de ler e acho que não vou tentar ler no futuro também.

 

Desistir por achar o livro difícil também não!

O segundo dos livros que eu desisti, e que está marcado no Skoob, é A Mão Esquerda da Escuridão da Ursula Le Guin. É um clássico da ficção científica e aclamado, mas eu confesso que me senti burra lendo essa história.

Desistir de livros da Ursula le guin pode também.

Compre o livro na Amazon através deste link e ajude o Poeira com uma comissão!

 

Achei complicado, difícil de entender o que estava acontecendo e confesso que eu precisei ler quatro vezes o mesmo parágrafo em determinado momento porque eu não entendia o que estava acontecendo.

Acabei desistindo da leitura e não pretendo tentar ler novamente. Mas será que eu sou burra porque não entendi A Mão Esquerda da Escuridão? Não. Apenas significa que eu não estava pronta para ler esse livro, ele não era para mim naquele momento.

Esse é outro motivo válido para desistir de uma leitura e você não precisa ter medo de não entender um livro. Nem sempre nós estamos prontos para eles ou eles para nós. E não é pecado não entender, não se preocupe.

 

Desistir de ler por causa de personagens é válido também!

Sim, é possível desistir de livros porque você não gostou dos personagens. Já aconteceu comigo enquanto eu lia O Continente do Érico Veríssimo.

Desistir por causa de personagens pode também

Compre o livro na Amazon através deste link e ajude o Poeira com uma comissão!

 

O primeiro livro dessa série gigantesca tem a trama de cinco gerações de uma família. Se passam cerca de 100 anos entre a primeira e a última página desse livro e a história é super interessante.

Aliás, as duas primeiras gerações são um primor. A história de Ana Terra é muito inspiradora e o romance dela com o índio Pedro é interessante de ler. Porém, quando o Capitão Rodrigo chegou na história, eu penei.

Detestei o personagem, nada do que ele fazia eu achava interessante, o jeito que tratava a Bibiana me deixou irritada. E, quando eu vi, a leitura estava cada vez mais lenta e eu me vi desistindo do livro.

Como pode um personagem acabar com uma experiência de leitura, não é? Mas acabou para mim e eu não sei quando vou ter saco de encarar o Capitão Rodrigo de novo.

 

E tem vezes que a gente não precisa ler. De verdade.

Tem vezes, inclusive, que a gente, simplesmente, não precisa terminar de ler um livro.

Essa constatação nos leva ao meu quarto livro marcado como desistido: A Incendiária do Stephen King. Eu tentei ler esse livro para o meu clube de leitura, mas não rolou.

desistir de stephen king é permitido

Compre o livro na Amazon através deste link e ajude o Poeira com uma comissão!

 

Fui para a reunião com vergonha de não ter conseguido ler e saí dela prometendo para o clube, e para mim mesma, que eu terminaria a leitura. Mas a verdade é que eu não precisava disso.

A história não me chamou a atenção, não é meu tipo de livro e eu não me conectei a nenhum dos personagens. Na minha cabeça, eu precisava terminar porque já tinha chegado na metade, mas eu não tinha curiosidade de saber o final.

 

E se quiser tentar de novo, tá tudo bem também.

Eu ia finalizar aqui, mas tenho que falar de mais um livro que já virou desistência duas vezes e eu decidi nunca colocar na lista de desistências porque eu quero ler: Madame Bovary do Gustav Flaubert.

Ainda não desistir de Emma Bovary, entretanto.

Compre o livro na Amazon através deste link e ajude o Poeira com uma comissão!

 

Esse é um livro que tem tudo o que eu gosto: protagonista feminina, romance clássico, conflitos internos e polêmica. Porém, eu já tentei ler duas vezes e não consegui passar do capítulo 8.

Em outros tempos, e em outras histórias, isso já seria motivo o suficiente para eu desistir, mas algo me diz que eu vou gostar depois que terminar de ler. Por isso, ele continua na minha lista de “quero ler”.

E você, quais foram os livros que você quis desistir de ler e por quê?



Mariana Bortoletti

Mariana Bortoletti

Mariana Bortoletti é marketeira, escritora tímida, leitora de livros velhos e fundadora do Poeira Literária. Começou a trabalhar com conteúdo para a internet em 2009, publicou o primeiro conto em antologia em 2014 e, em 2020, lançou seu primeiro livro.

Descobriu que gostava de ler com romances açucarados, mas hoje se aventura lendo (e escrevendo) ficção especulativa - adora imaginar um “e se?” para tudo.

Ama perder tempo no YouTube, assistir comédias românticas, jogar SuperMario, falar sobre extraterrestres e fantasiar sobre mundos que não existem. É muito fã da literatura e da moda do século XIX, mas prefere o século XXI para viver em sociedade.

Leia também

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *